sexta-feira, 17 de outubro de 2008

PROmova reafirma apoio à marcha dos espíritos livres: Marquês, dia 15/11



O Movimento de Professores PROmova reitera o seu apoio incondicional à Manifestação dos Professores, convocada para o dia 15 de Novembro de 2008, em Lisboa. Fá-lo, sobretudo, a partir do respeito pela vontade genuína dos professores que, nas escolas, já não aguentam mais a impreparação e a visão tecnocrática que esta equipa ministerial tem da escola e dos professores, sufocando-os em tarefas burocráticas absurdas e irrelevantes, mas também o faz suportado na coerência e na força das suas razões, que ninguém tem tido a coragem e a capacidade para rebater.
Com a manifestação do dia 15 de Novembro, os educadores e professores deste país reafirmam:
  1. rejeitar, liminarmente, o modo arbitrário e injusto como se dividiu a carreira dos professores, desrespeitando currículos, formações, experiências e empenhamentos pessoais;
  2. recusar este modelo de avaliação do desempenho dos professores, desacreditado pela sua burocracia gigantesca e inútil, pela sua ineficácia pedagógica, pela conflitualidade e mau clima que já começou a gerar, bem como pela ligeireza com que se entrega o trabalho e a carreira de um docente a colegas obrigados ao constrangimento de aceitarem a função de avaliadores sem formação específica consistente e, em muitos casos, sem autoridade científico-pedagógica reconhecida pelos seus pares;
  3. repudiar, peremptoriamente, a alteração às regras do concurso de professores, em que os menos graduados ultrapassam os mais graduados, a partir de um processo de avaliação desprovido de rigor e objectividade;
  4. opor-se, em nome da sua formação superior e por fidelidade à nobreza das suas funções, a iniciativas de formação e a projectos terceiro-mundistas que se têm traduzido em formas de instrumentalização, infantilização e ridicularização dos docentes;
  5. pugnar pela qualificação séria e consistente da escola, sem manipulações estatísticas, propagandas e realizações virtuais, a que não têm correspondido mudanças reais no quotidiano das escolas;
  6. acreditar nas virtualidades do trabalho cooperativo e participado, orientado para a melhoria das aprendizagens dos alunos, que não para o estrangulamento artificial das expectativas de progressão dos professores, recorrendo, com instinto persecutório, a metas e itens irrealizáveis e/ou incontroláveis pelo docente;
  7. sofrer com a debandada de muitos dos seus melhores colegas, depositários de experiências e de saberes construídos com empenho e entusiasmo ao longo de décadas, vendo-se empurrados para fora da escola por um governo que os humilha e desrespeita;
Marcar presença, em Lisboa, no dia 15 de Novembro, é a grande (e talvez, a última) oportunidade dos educadores e professores portugueses afirmarem a sua dignidade e a sua paixão pela escola, independentemente dos seus vínculos sindicais, associativos ou partidários. Vacilando na mobilização, estaremos a sufragar o triunfo da insensatez e da mediocridade, do qual resultará o campear, nas escolas públicas portuguesas, das injustiças, da conflitualidade, dos aproveitamentos oportunistas de uns poucos, da prepotência bacoca de um ou outro, da pressão para o facilitismo, da degradação da exigência do ensino e da qualidade das aprendizagens, traduzindo-se estas realidades num preço demasiado elevado, que os nossos alunos e os nossos filhos pagarão muito caro a médio e a longo prazo.
Neste sentido, o Movimento PROmova apela a todos os educadores e professores portugueses para que se mobilizem nas suas escolas e aluguem, no mínimo, um autocarro por escola/agrupamento, rumando a Lisboa, no dia 15 de Novembro de 2008. Como as medidas ministeriais que os professores repudiam são transversais e terão repercussões negativas em toda a sociedade, qualquer cidadão que queira associar-se à luta dos professores será bem-vindo.

Aquele abraço solidário.

PROmova - Movimento de Valorização dos Professores,

Núcleos de Estratégia e Dinamização.

3 comentários:

Moriae disse...

Ramiro, quem são os mentores do PROmova?
Gracias,
m.

Moriae disse...

Já descobri! (Aliás, informaram-me no blogue do Paulo)
http://noticias.sapo.pt/lusa/artigo/dc003cc0d40c955d93bd7d.html

Estefânia de Alinhoz disse...

Tem piada teres colocado este texto aqui ... afinal, tanto o promova como outras pessoas, acabaram por se render ao politicamente correcto (kitsh na minha perspectiva) dos sindicatos.

  © Blogger template 'Fly Away' by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP